Translate

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Reflexão...


sexta-feira, 2 de setembro de 2016

A primavera chegará...


Esse novo motor V4 tem a potência de um V6 gastando apenas 2/3 do combustível

novo-motor-v4-tem-potencia-de-v6-3



No caso do novo motor da Nissan, a taxa de compressão pode variar de 8:1 até 14:1 ao alterar a altura que o cilindro chega no cilindro, fazendo com que um singelo motor 2.0 de quatro cilindros consiga desenvolver a potência de um motor V6, ao mesmo tempo que consegue aumentar em 27% a economia de combustível.


Mas esta potência e economia não vêm de graça, o novo motor tem mais peças, ou seja, é mais complexo, e mais complexo significa mais caro, e é por isso que este motor será introduzido primeiro na sofisticada linha Infiniti a ser apresentada no próximo Paris Motor Show.




                                 novo motor do INFINITI, VC-T com taxa de compressão variando de 8:1 para 14:1

Motores de automóveis são verdadeiras maravilhas da engenharia, mesmo girando mais de 80 vezes por segundo, tudo é sincronizado, as válvulas abrem e fecham no momento certo queimando o combustível e gerando força que movimenta o carro.
E desde que os automóveis foram inventados, os engenheiros tem trabalhado para melhorar a performance, fazendo motores mais potentes e também motores mais econômicos. Motores turboalimentados, injeção eletrônica e outras técnicas ajudam a conseguir estes resultados.
Uma das maneiras de mudar a potência do motor ou o consumo de combustível é mudando a taxa de compressão do motor. Durante o ciclo de funcionamento do motor, o cilindro comprime a mistura de ar e combustível. O quanto ele comprime esta mistura é o que se chama de taxa de compressão. Se você precisa de mais potência, usa uma taxa de compressão maior, ou vice-versa, se você está querendo economia.
O problema é que a taxa de compressão é decidida na hora de fazer o motor. Os engenheiros escolhem isso, e fazem coisas como colocar uma taxa de compressão de 10:1 no Jetta, conseguindo um rendimento de 14 km/l de combustível, ou uma taxa de 13,5:1 na Ferrari, fazendo ela chegar a 350 km/h.
Não seria melhor se a taxa de compressão pudesse ser dinâmica, acompanhando o regime de uso do carro? Precisa de mais potência, a taxa de compressão aumenta. Quer economizar, e a taxa de compressão cai.
Pois é esta a inovação que a Nissan está apresentando. Depois de 20 anos de pesquisa, eles afirmam terem construído um mecanismo confiável e seguro que permite que o motor tenha uma taxa de compressão variável.
O que a Nissan fez foi colocar um atuador controlado por computador que muda o ângulo com que a biela se conecta ao virabrequim. Não entendeu? Mas é muito simples. O pistão é a peça que se movimenta dentro do cilindro, em um lado dele fica a câmara de combustão, e do ouro lado… a biela.
A biela encaixa de um lado no cilindro, e do outro no virabrequim. Ela transforma o movimento de vai-e-vem do cilindro em um movimento de rotação no virabrequim. Na figura abaixo, mostrando um motor tradicional você vê isso acontecendo, a biela é a parte em vermelho.

fonte: Hypescience

Música

Seguidores

Total de visualizações